Pages Navigation Menu

      

Centro de Equoterapia EquoAmigos


Recursos Terapêuticos para Disfunção Neuromotora na Equoterapia

Crianças com Disfunção Neuromotora frequentemente apresentam grandes dificuldades no controle muscular e postural e como conseqüência dessa condição suas atividades funcionais e exploração do ambiente tornam-se deficitárias.
Múltiplos fatores têm influenciado o aumento da incidência da Disfunção Neuromotora no Brasil e no mundo. O avanço tecnológico, por exemplo, vem propiciando que cada vez mais crianças tenham índices de sobrevida maior após graves intercorrências durante sua gestação e outras durante ou após o parto. Outro fator relevante diz respeito à maternidade
Com o tempo, o planejamento da gestação propiciou as mulheres o poder de escolha. A gradativa ocupação dos espaços que outrora pertenciam somente aos homens fez com que a maternidade fosse postergada, contribuindo com a concepção em idade avançada (após 35 anos) e em muitas situações pelo avanço da idade fértil, somente propiciada através das técnicas de reprodução assistida que incidem em gestação gemelar em 45% dos casos e 7% em trigêmeos ou mais, aumentando percentualmente os riscos gestacionais incluindo a prematuridade.Porem as piores complicações do parto tende a acometer meninas com menos de 15 anos. A mãe adolescente tem maior morbidade e mortalidade por complicações da gravidez, do parto e do puerpério. A taxa de mortalidade é duas vezes maior que entre gestantes adultas. A incidência de recém nascidos com baixo peso de mães adolescentes é duas vezes maior que em recém nascidos de mães adultas, e a taxa de morte neonatal é três vezes maior. Entre adolescentes com 17 anos ou menos, 14% dos nascidos são prematuros. Em 2000, segundo Raquel Foresti, foram realizados 689.000 partos de adolescentes no Brasil, o equivalente a 30% do total dos partos do país. Hoje são mais de 700.000 partos de adolescentes por ano, o que vem contribuindo no índice de recém nascidos acometidos por lesões do Sistema Nervoso Central, devido às condições de assistência pré e perinatal serem satisfatórias apenas a uma parcela da população.
Assim a prevalência de seqüelas neurológicas em nosso meio tem mostrado-se bastante elevada, requerendo atenção especial dos profissionais envolvidos nas áreas da reabilitação neuropediátrica.
Sabemos que não existe cura para a Disfunção Neuromotora por conta disto novas tecnologias e recursos estão sendo desenvolvidos por todo o mundo buscando uma melhor qualidade de vida para os portadores dessa condição.
A interferência da maturação normal do cérebro, presente no paciente portador de Disfunção Neuromotora, ocasiona um atraso nas etapas do desenvolvimento motor e propicia a presença de padrões posturais e de movimento anormais, conseqüentes a um tônus anormal. Observamos alterações no alinhamento biomecânico devido ao encurtamento de grupos musculares, assim como pela presença da atividade reflexa.
O corpo humano é composto de componentes biomecânicos combinados para produzir posturas e movimentos variados.
Ao analisarmos os componentes da postura do cavaleiro montado, teremos uma base de referencia para determinarmos quais as compensações e ou desvios nossos pacientes podem estar adotando na Equoterapia e como podemos intervir para solução do problema. O foco específico da intervenção, não somente deve ser solucionado a partir dos problemas presentes, mas também no processo de estabelecimento do problema, devendo-se avaliar e especificar qual ou quais segmentos musculoesqueléticos estão envolvidos na disfunção da atividade.

Neste estudo proponho demonstrar a relevância dos recursos terapêuticos complementares como: Theratog e Wraps, Kinesio Tapping, splints e órteses utilizados pelo Conceito Neuroevolutivo Bobath durante o atendimento na Equoterapia junto aos pacientes portadores de Disfunção Neuromotora objetivando a organização biomecânica durante a montaria e consequentemente a potencialização dos benefícios neuromotores.
É importante ressaltar que para melhor compreensão desse estudo faz-se necessário a explanação dos objetivos específicos relativos aos recursos utilizados.
 Theratogs e Wraps

O theratog é um tipo de vestimento para a criança utilizar por debaixo da roupa, maleável, confortável, ventilado e apropiadamente justo, composto de um sistema de faixas elásticas, acompanhadas com velcro para sua fixação em qualquer configuração de suporte.
O Theratog emprega o principio da aplicação de forças no sistema musculoesqueletico de forma gentil e prolongada, na tentativa de efetivar mudanças na estratégia de recrutamento muscular e com o uso integral, na fisiologia e geometria óssea. O terapeuta pode usar qualquer combinação, produzindo tensão pelo vetor de força e desenhos, dimensionado por  um sistema de faixas, que persistentemente e gentilmente manipule o sistema musculoesqueletico de quem o veste durante o tempo pelo qual este permanecer com ele, servindo como uma mão continua do terapeuta na criança.

Artigo_01_Foto01
Theratog auxiliando na organização biomecânica durante a  montaria.

 

 

 

 

 

Kinesio Tapping

O método do kinesio Tapping basea-se nos conhecimentos da cinesiologia, reconhecendo a importância do corpo e movimentos corporais para a reabilitação e vida diária. Dado a esse motivo idealizou-se a escolha do nome.
Usando esparadrapos elásticos descobriu-se que os músculos e outros tecidos,como o circulatório, podiam serem ajudados por uma assistência externa.

Objetivos

Suporte muscular: melhora a contração muscular, reduz a fadiga, reduz hiperextensão, diminui as câimbras e a possibilidade de lesões musculares, melhora a amplitude de movimento e alivia a dor.
Remoção da congestão linfática
Ativação do sistema endógeno analgésico
Correção de problemas articulares: ajusta desalinhamentos causados por espasmos e ou músculos encurtados, normalização tônica, melhora a amplitude de movimento e alivia a dor

Na Equoterapia é utilizado como suporte muscular e na correção de problemas articulares.

Artigo_01_Foto02

Kinesio-taping  nos músculos abdominais oblíquos,

auxiliando   na estabilização pélvica.

 

 

 

 

Artigo_01_Foto03
Kinesio-taping nos músculos abdominais  oblíquos,
auxiliando no fortalecimento muscular 

 

 

 

 

 

Artigo_01_Foto04Kinesio-taping ativando a musculatura paravertebral
favorecendo a retificação postural

 

 

 

 

 

Órteses e Splints

A utilização de órteses para membros inferiores poderá auxiliar na manutenção da organização biomecânica sobre o cavalo quando a criança apresentar alteração na articulação tíbio-tarsica como: plantiflexão, supinação, pronação entre outras.A partir de uma base estável possibilitamos a organização da pelve, retificação do tronco, facilitando a realização das atividades bimanuais.
O splint de abdução de polegar, em geral é utilizado em crianças com o polegar aduzido ou dentro da palma da mão. O abdutor de polegar além de posicionar o polegar numa situação em que favoreça a oponência com o indicador, permite a realização de preenção média e fina.Este pode ser utilizado para uso noturno quando a adução persiste mesmo quando a criança dorme, e diurno para treinamento especifico nas terapias e atividades de manipulação.

 

Splint para abdução de polegar Órtese de membros inferiores (AFO)
Foi concluído com o estudo que a associação dos recursos terapêuticos complementares durante a Equoterapia contribuiu significativamente na obtenção dos objetivos neuromotores junto aos portadores de Disfunção Neuromotora.

REFERÊNCIAS

– Muller M. Centro de Estudos. Curso básico Neuroevolutivo- Conceito Bobath- RJ, 2000

– Golineleo, M.T. Centro de Estudos e Reabilitação Neurológica. Curso básico Neuroevolutivo-ConceitoBobath- RJ 2006

– Prado T.A. Terapia Ocupacional no Curso básico Neuroevolutivo-Conceito Bobath. 2003

– Kase K.D.C. Illustrated Kinesio Taping- 3º Edition. Ed Ken’ I-Kai  Tókio 2000

– Bobath K. Uma base Neurofisiológica para o Tratamento da Paralisia Cerebral, 2º ed. São Paulo. Ed Manole 1990

– Santos. A Diagnostico Clinico Postural. Ed Summus São Paulo 2001

– Santos. A. A Biomecânica da Coordenação Motora. Ed Summus São Paulo 2001
– Hamil J & Knutzen M.K. Bases Biomecânicas do Movimento Humano Ed Manole. R.J 1999

– Ratliffe. K. Fisioterapia Clinica Pediátrica-Guia para a Equipe de Fisioterapeuta. Ed Santos 2002

– Kapandji.A.T. Fisiologia Articular- Tronco e coluna. 5º ed. Ed Guanabara Koogan.2000

– Hall. S. Biomecânica Básica 3º ed Ed Guanabara Koogan. 2000

– Norken. C. & Levangie P. Articulação, Estrutura e Função- Uma Abordagem Pratica e Abrangente 2º Ed Revinter 2001

– Howle. J.M. Neuro Developmental Treatment Approach-Theoretical Foundations and Principles of Clinical Practice. Laguna Beach-NDTA, Los Angeles CA 2004

– Progressive Gaitways, LLC. Theratogs.Tellaride. Co 2003