Pages Navigation Menu

      

Centro de Equoterapia EquoAmigos


Nova revisão invalida milhares de estudos sobre o cérebro

Imagine que o Word da Microsoft, um dos editores de texto mais populares do mundo, contivesse uma falha de programação que gerasse uma letra onde os usuários teclassem espaço.

Suponha, também, que alguns digitadores estejam escrevendo às cegas, sem revisar aquilo que digitam. E que passaram 15 anos produzindo documentos com erratas e falsas letras ali onde deveria haver um espaço em branco. Isso foi o que aconteceu durante muitos anos na pesquisa sobre a atividade cerebral. Uma falha no software que lê as ressonâncias magnéticas da massa cinzenta põe em questão milhares de trabalhos científicos realizados neste século. Porque, além disso, segundo uma pesquisa que acaba de ser divulgada, muitos pesquisadores não foram rigorosos revisando e corrigindo seus resultados em busca de manchas.

A imagem por ressonância magnética (fMRI, na sigla em inglês) é o método mais amplamente utilizado para estudar o esforço que realizada uma determinada região do cérebro à qual se designa uma tarefa. A fMRI detecta quais zonas estão requerendo mais energia do fluxo sanguíneo graças ao oxigênio que ele transporta. O resultado são aqueles mapas em 3D da massa cinzenta com algumas áreas iluminadas. E os cientistas nos dizem: esta é a parte da sua cabeça que se ativa quando você come chocolate, quando pensa em Donald Trump, quando assiste a filmes tristes etc.

Agora, uma equipe de cientistas liderada por Anders Eklund revelou que muitas dessas zonas foram iluminadas por erro, por causa de uma falha do software e o pouco rigor de alguns de seus colegas. Em seu estudo, publicado na PNAS, eles reuniram 500 imagens do cérebro em repouso, que são as utilizadas como ponto de partida para ver se, a partir daí, o cérebro faz alguma coisa. Usaram os programas mais comuns para fazer três milhões de leituras desses cérebros em repouso. Esperavam encontrar 5% de falsos positivos, mas, em alguns casos, dependendo dos parâmetros adotados, eles se depararam com até 70% de situações em que o programa iluminava uma área onde nada acontecia.

Esses programas dividem o cérebro humano em 100.000 voxels, que são como os pixels de uma fotografia na sua versão tridimensional. O software interpreta os sinais da ressonância magnética e aponta em quais haveria uma atividade, a partir de um ponto que, em muitos casos, foi menos preciso do que deveria, propiciando falsos positivos. Além disso, os autores da revisão analisaram 241 estudos e descobriram que em 40% deles não foram aplicadas as correções de software necessárias para dar garantias, agravando o problema dos falsos positivos.

O rebuliço adquiriu maiores proporções no campo da neuroimagem, embora ainda se esteja relativizando a dimensão do problema. Inicialmente, Eklund e sua equipe questionavam a validade de cerca de 40.000 estudos. Agora, anunciaram uma correção: Thomas Nichols, outro autor do estudo, estima que apenas cerca de 3.500 trabalhos estariam prejudicados. Mas é impossível saber precisamente quais ou quantos eles são. Uma sombra de dúvida paira sobre 15 anos de pesquisas.

Na verdade, esse estudo é como o menino do conto de Andersen que grita que o imperador está nu: em várias oportunidades, já se havia denunciado que algumas dessas ressonâncias carecem de base estatística e que estavam sendo supervalorizadas. “Isso já era sabido. Faz 20 anos que surgiram alertas sobre este problema. E, além disso, o trabalho nesse campo foi se desenvolvendo de forma cada vez mais solta, com os resultados que vemos agora”, lamenta Bryan Strange, diretor do departamento de neuroimagem da Fundação CIEN (Centro de Pesquisa de Doenças Neurológicas). Para Strange, o que o estudo denuncia “faz todo sentido” e “é muito bom que se alerte sobre esse perigo”.

Santiago Canals, do Instituto de Neurociências, acha “surpreendente” que um pacote de software tão consagrado e popular possa conter um erro durante 15 anos sem que isso tenha sido detectado, como demonstra o estudo. Seu grupo utiliza um programa próprio, e ele alerta para o fato de que muitos cientistas se aproximaram do mundo da neuroimagem vindos de outros campos, sem conhecer bem o processo que estavam efetuando.

“Em um certo sentido, isso pode mostrar que é um equívoco acreditar que há soluções fáceis em ciência: conformar-se com o resultado sem saber como funciona o processo”, critica Canals, para quem os melhores grupos de pesquisa não estão em questão, mas apenas alguns trabalhos que se conformavam com resultados pouco consistentes estatisticamente falando.

Os dois especialistas concordam que, por trás desse problema, está um outro, mais geral, de toda a ciência: os estudos não estão sendo reproduzidos, ninguém está checando, tentando obter os mesmos resultados com os mesmos métodos, aquilo que outros cientistas publicam.

Strange está convencido, também, de que essa polêmica terá um impacto positivo. “Houve tanto barulho que os revisores [especialistas independentes que corrigem os estudos antes de eles serem publicados em revistas científicas específicas] ficarão ligados. Se deixaram passar, antes, estudos menos consistentes, agora deixarão de fazê-lo”, afirma. Apesar disso, ele acredita que não seria difícil identificar os trabalhos suspeitos: “Nós, que nos dedicamos a isso, podemos identificar com facilidade o rigor adotado ou não pelos autores na metodologia dos estudos”. E acrescenta: “Talvez devêssemos fazê-lo”.

Source:http://brasil.elpais.com/brasil/2016/07/26/ciencia

Leia Mais

Estudo sugere que sistema imunológico pode controlar nosso comportamento e personalidade

Todos gostamos de pensar em nós mesmos como indivíduos independentes, totalmente originais e responsáveis pelo nosso próprio destino.

No entanto, e indo em contramão a isso, uma nova pesquisa encontrou evidências que sugerem que nosso comportamento, e até mesmo parte de nossa personalidade, poderiam estar sendo influenciados pelo nosso sistema imunológico.

 

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Virgínia, EUA, mostraram que, ao “desligar” uma única molécula de imunidade em ratos, pode-se mudar a forma como os animais se comportam e interagem uns com os outros. Isso sugere que o sistema imunológico pode desempenhar um papel em condições tal como a Desordem do Espectro Autista (DEA) e esquizofrenia.

 

No entanto, e antes de qualquer empolgação, trata-se apenas de uma pesquisa inicial e que, até agora, foi realizada apenas em roedores. Porém, os pesquisadores conseguiram mostrar claramente que ao mudar a forma como o sistema imunológico responde aos agentes patogênicos pode-se desencadear um comportamento antissocial em camundongos.

 

É uma loucura, mas talvez nós somos apenas campos de batalha multicelulares para duas forças antigas: patógenos e o sistema imunológico”, disse o pesquisador-chefe, Jonathan Kipnis. “Parte de nossa personalidade pode realmente ser ditada pelo sistema imunológico”.

 

A molécula em questão é chamada de interferon-gama (IFN) e normalmente é liberada pelo sistema imunitário quando entramos em contato com algum agente patógeno, tal como vírus e bactérias. Esse tipo de resposta imune é parte do sistema imunológico adaptativo, que aprende a manter-se atento para a presença de germes – e até o ano passado, pensava-se que estava isolado no cérebro, como resultado de uma barreira sangue-cérebro.

 

No entanto, tudo isso mudou em 2015, quando Kipnis e sua equipe descobriram, pela primeira vez, que os vasos meníngeos estavam diretamente ligados ao cérebro pelo sistema linfático, o que significa que o cérebro e o sistema imunológico podem interagir diretamente, algo que anteriormente era pensado como impossível.

 

Esta relação poderia explicar muito as suspeitas dos cientistas de que condições como depressão, autismo e esquizofrenia podem, de algum modo, serem desencadeadas pelo sistema imunitário, e a nova pesquisa ofereceu uma possível explicação para isso. Indo além disso, a equipe também sugeriu que esse sistema também é capaz de influenciar nossas interações sociais, e mais amplamente, nossa personalidade.

“A relação entre as pessoas e patógenos que os pesquisadores sugerem, poderia ter afetado diretamente o desenvolvimento do nosso comportamento social, o que nos permite envolver-se em interações sociais necessárias para a sobrevivência da espécie, ao passo em que nosso sistema imunológico nos protege das doenças que acompanham essas interações”, explicou a Universidade de Virginia.

 

Para investigar se esse era realmente o caso, os pesquisadores desligaram a molécula IFN em ratos, moscas e peixes-zebra. Todas as espécies mostraram que o interferon-gama era essencial para a interação social normal. Ao reestabelecer a molécula, os animais retomaram suas atividades normais, comprovando ainda mais a teoria.

 

A equipe publicou os resultados na revista Nature, concluindo que a molécula liberada pelo sistema imunológico desempenha um “papel profundo na manutenção da função social adequada”. Agora, o próximo passo é ver se a molécula desempenha o mesmo papel no comportamento social das pessoas.

Source: http://www.jornalciencia.com

Leia Mais

Especialista explica os benefícios da música para o cérebro

Assunto é discutido em congresso no Canadá. Cotidiano conversou com médico Paulo Januzzi Cunha, que participa do evento.

Leia Mais

Bebês conseguem distinguir quem é amigável ou hostil

Ainda antes de terem informações sobre estruturas sociais, os bebês podem discernir se outras pessoas são amistosas ou hostis, segundo um estudo.

Leia Mais

Cérebro impresso em 3D vai ajudar a treinar neurocirurgiões

Cirurgias cerebrais são complexas, um trabalho de alto risco. Fazê-las num paciente real, vivo, com um médico assistente respirando no seu pescoço para observar todos os seus movimentos não deve ser nada fácil. É aí que entra a indústria da impressão 3D,

Leia Mais

Tecnologia ajuda no tratamento do autismo

O software usa como base três métodos já aplicados no tratamento de autistas: o PECS (Sistema de Comunicação por Figuras), o ABA (Análise Comportamental Aplicada) e  o TEACCH (Programa de intervenção ensino estruturado).

Leia Mais